O amor ao dinheiro

O que o mundo mais ama e mais dá valor?
. Dinheiro – bens materiais, posses, luxo, acúmulo 
. Aparência – sucesso pelo que possui, ostentação, ter para ser
. Posição – status, reconhecimento, auto-imagem, posição social
Os valores do mundo são valores do seu Rei, o Diabo, que usa de todas as artimanhas para afastar o homem de Deus e distraí-lo com seus próprios desejos desenfreados. Esses valores se tornaram comuns na “igreja” e muitos “pregadores” conquistam multidões usando o lema da Prosperidade com Deus.

Porque os valores do mundo são contrários aos valores de Deus?
O Reino de Deus não é desse mundo, nossa pátria é o céu, ou seja, tudo material ( dinheiro, posses, bens, status, luxo) é passageiro e não tem valor eterno, logo, não tem valor algum no céu, que é para onde vamos encontrar nosso Jesus.
“Pois não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir. (Hebreus 13:14) … para uma herança que jamais poderá perecer, macular-se ou perder o seu valor. Herança guardada nos céus para vocês (1 Pedro 1:4)
Nossa esperança não esta em nada dessa terra, em nada material, em nada passageiro, nossa esperança esta em Jesus, nosso Salvador, que nos remiu, que ê nosso Senhor e que esta preparando nosso lugar nos céus.
“Amados, insisto em que, como estrangeiros e peregrinos no mundo, vocês se abstenham dos desejos carnais que guerreiam contra a alma.” (1 Pedro 2:11)

Os pastores e pregadores do Evangelho da Prosperidade, tiram os olhos das pessoas de Deus, dos céus, do eterno e os colocam no dinheiro, na prosperidade e nessa vida aqui terrena. Eles impedem que a pessoa veja o eterno: a morte eterna e a vida eterna. Eles impedem que a pessoa seja regenerada, se arrependa, morra para o mundo e viva para Deus. Eles deturpam os valores de Cristo, que sendo Deus, Criador de tudo, dono de todo ouro e prata do mundo, se fez pobre e nasceu numa estribaria, para contrariar justamente os valores desse mundo sem Deus.
Para esses que pregam um evangelho deturpado e corrompido, a Bíblia diz:
“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas, porque percorrem terra e mar para fazer um convertido e, quando conseguem, vocês o tornam duas vezes mais filho do inferno do que vocês.” (Mateus 23:15)

Vamos ler os textos da Bíblia que nos alertam CONTRA o amor ao dinheiro e que derrubam os “pregadores da prosperidade”:

1. Amor ao dinheiro X Amar a Deus

# Conservem-se livres do amor ao dinheiro e contentem-se com o que vocês têm, porque Deus mesmo disse: “Nunca o deixarei, nunca o abandonarei”. (Hebreus 13:5) 
Não é errado buscar ajuda em Cristo para ter prosperidade em nossas necessidades e provisão, pois Ele se importa com nossas necessidades (Mateus 6:33). Mas todos nós — pobres e ricos — estamos em constante perigo de firmar nosso amor (1 João 2:15-16) e nossa esperança (1Timóteo 6:17) nas riquezas ao invés de em Cristo. 
O alerta é para o coração: não amem o dinheiro, amem a Deus , ‘Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todas as suas forças e de todo o seu entendimento’. (Lucas 10:27)

2. Acumular tesouros aqui X acumular tesouros no céu

# “Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração. “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro. (Mateus 6:19-21, 24)
Há uma tendência intrínseca à ganância em todos nós, Jesus sente a necessidade de advertir contra “acumular tesouros na terra”. E afirma: onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.

3. Cobiça e querer ficar rico

# “pois nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos. Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. Algumas pessoas, por cobiçarem o dinheiro, desviaram-se da fé e se atormentaram com muitos sofrimentos. (1 Timóteo 6:7-10 NVI)
A linha entre “Deus, me ajude” e “Deus, me enriqueça” é real, e não devemos ultrapassá-la.

4. Pedir para ficar rico

“Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites. Adúlteros e adúlteras, não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.” (Tiago 4:3, 4)

Quem é o sal da terra?
O que há nos cristãos que faz deles o sal da terra e a luz do mundo? Não são as riquezas. O desejo por riquezas e a busca de riquezas têm sabor e aparência do mundo. Desejar ser rico nos torna como o mundo, não diferentes. Justo no ponto onde deveríamos ter um sabor diferente, temos a mesma cobiça maliciosa que o mundo tem. Neste caso, não oferecemos ao mundo nada diferente do que ele já crê. 

A grande tragédia da pregação da prosperidade é que uma pessoa não tem que ser acordada espiritualmente para abraçá-la; ela precisa apenas ser gananciosa. Ficar rico em nome de Jesus não é o sal da terra ou a luz do mundo.
Ter uma nova vida em Cristo é inexplicável em termos humanos. É sobrenatural. É a obra de Deus em nós pecadores. Mas atrair pessoas com promessas de prosperidade é simplesmente natural. Não é a mensagem de Jesus. Não é aquilo que ele alcançou com sua morte.
A ênfase do Novo Testamento não são as riquezas que nos atraem para o pecado, mas o sacrifício de Cristo que nos resgata dele. 

O Evangelho da prosperidade deprecia a Cristo fazendo-O menos central e menos satisfatório que Seus presentes. 
Quando pregamos Cristo como aquele que nos torna ricos, nós glorificamos as riquezas, e Cristo se torna um meio para o fim que realmente queremos — a saber, saúde, riqueza e prosperidade. 
Mas quando pregamos Cristo como aquele que satisfaz nossa alma para sempre — mesmo quando não há saúde, riqueza e prosperidade — então Cristo é exaltado como mais precioso que todos aqueles presentes. 

Vemos isso em Filipenses 1:20-21. Paulo diz: “É minha ardente expectativa e esperança de que […] será Cristo engrandecido no meu corpo, quer pela vida, quer pela morte. Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.” 
A honra a Cristo acontece quando nós o valorizamos tanto que morrer é lucro. Porque morrer significa “partir e estar com Cristo” (Filipenses 1:23). 
Esta postura e esse desejo não existe na pregação da prosperidade, as pessoas querem tanto serem ricas quanto viverem por aqui mesmo e usufruir da vida terrena, a última coisa que desejam e partir e estar com Cristo.
O Novo Testamento aponta para a glória de Cristo, não para a glória de Seus presentes. Para deixar isso claro, ele coloca toda a vida cristã abaixo do estandarte da alegre abnegação. “Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me” (Marcos 8:34). “Estou crucificado com Cristo” (Gálatas 2:19).

Adaptado do livro ” Aos pregadores da prosperidade” John Piper

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s